dezembro 07, 2005

Cronologia III

J. M. LEAL DA SILVA
(Edit.)

CRONOLOGIA CUF - III


CRONOLOGIA DA QUIMIGAL,E.P. DESDE A CONSTITUIÇÃO ATÉ À TRANSFORMAÇÃO EM SOCIEDADE ANÓNIMA DE CAPITAIS EXCLUSIVAMENTE PÚBLICOS (QUIMIGAL, S.A.)
(1978-1989)

SEGUNDO O TEXTO DE 1993
(REORDENADO)

- - - « « « «» » » » - - -

O PRESENTE TEXTO CORRESPONDE A UMA 3ª PARTE DA CRONOLOGIA GLOBAL CUF / QUIMIGAL E COBRE UM PERÍODO PARTICULARMENTE DELICADO E (AINDA) ESCASSAMENTE DOCUMENTADO DA VIDA DA QUIMIGAL COMO E.P.
ELABORADO EM GRANDE PARTE SOBRE OS RELATÓRIOS E CONTAS DA ÉPOCA, DEVE SER CONSIDERADO COMO UM TEXTO “ABERTO”, SUSCEPTÍVEL DE OPORTUNOS APERFEIÇOAMENTOS, NOMEADAMENTE RECOLHIDOS NOS ARQUIVOS DA EMPRESA QUE, RAZOAVELMENTE, DOCUMENTAM ESSE PERÍODO.
APRESENTADO POIS COMO 1ª VERSÃO (AGOSTO DE 2002). SERÁ REVISTO E ACRESCENTADO LOGO QUE POSSÍVEL.

J. M.LEAL DA SILVA
LAVRADIO, AGOSTO DE 2002


- - - « « « «» » » » - - -

VERSÃO 1 (Agosto 2002)

1978
- Na sequência da Resolução de Conselho de Ministros nº 146/77, de 8 de Junho (que ainda se referia a AGROQUÍMICA, E.P.), o Decreto Lei nº 530/77, de 30 de Dezembro, criou a QUIMIGAL Química de Portugal, E.P. pela fusão das sociedades adubeiras nacionalizadas AMONÍACO PORTUGUÊS, CUF- Companhia União Fabril e NITRATOS DE PORTUGAL.A QUIMIGAL dispõe assim de três complexos industriais (respectivamente Estarreja, Barreiro e Alverca), para além das instalações fabris da CUF noutros locais.
- Assinala-se, com apreensão, a falta de clarificação da situação vigente quanto à definição de "Empresas Participadas" ligadas à QUIMIGAL, sob os pontos de vista de participação e de gestão.
- Além de outros contratos de financiamento, celebram-se contratos com o BANCO EUROPEU DE INVESTIMENTOS para aplicação nos Projectos Fibra de Vidro, Resinas e Poliois e Adubos Azotados. O BANCO MUNDIAL aprova uma operação de empréstimo para aplicação no Projecto Adubos Azotados.
- Arranca, no Barreiro, a unidade produtora de ácido sulfúrico "Contacto 7", que integra uma instalação produtora de oleum sulfúrico.
- A QUIMIGAL apoia a C.P.P. -Comissão do Programa das Pirites (apoio que a CUF já vinha prestando desde 1976). Tendo essa Comissão apresentado o seu Relatório, a QUIMIGAL defende que lhe deve caber papel fundamental na implementação da componente transformadora do correspondente projecto, sem criação pelo Governo de outras estruturas empresariais para este.
- É decidida a implementação do "Projecto Adubos Azotados" (mais conhecido por "Projecto Azotados" ) .
- Têm lugar os ensaios de arranque e recepção da unidade produtora de anilina, em Estarreja, com a capacidade de produção de 50 000 toneladas anuais.
- É constituída a ISOPOR Companhia Portuguesa de Isocianatos, Lda. pela associação da QUIMIGAL com a UPJOHN para produção de MDI na área de Estarreja.
- Arranca, no Barreiro, a nova fábrica de rações, com a capacidade de 50 toneladas/hora e elevada automatização. Prosseguem os estudos para eventual implementação de uma outra unidade no Norte (que não viria a concretizar-se).
- A instalação de fibras acrílicas da FISIPE, no Lavradio, completa o seu 1º ano de funcionamento "a pleno" e atinge produção acima da sua capacidade nominal.
- A melhoria de infraestruturas nos complexos industriais é objecto de estudo, com desenvolvimento de diversos investimentos com esse objectivo.

1979
- Assinala-se a clara insuficiência de dotações de capital para a dimensão dos projectos em concretização.
- Mantém-se pendente o debate com o I.P.E.(Instituto de Participações do Estado) quanto a definição e racionalização de diversas participações, nomeadamente da CUF [caso das participações mineiras, entre outras].
- A Quimigal reclama um papel motor na componente de indústria transformadora (produção de ácido sulfúrico e de metais, em especial o cobre) dos projectos a serem lançados na área do Aproveitamento das Pirites (onde actuou a respectiva comissão), mormente face às novas descobertas mineiras no Alentejo (referência a Neves- Corvo).
- Conclui-se a remodelação da metalurgia do cobre, no Barreiro. A Quimigal constitui a QUIMIBOL, sediada na Suíça, em "joint venture" com a Sulphur / Boliden para promover a negociação internacional (importação / exportação) de ácido sulfúrico.
- São celebrados os contratos de engenharia para as unidades de ureia (Lavradio), ácido nítrico (Alverca e Lavradio) e amoníaco (Lavradio) , inseridos no "Projecto Azotados" .
- Concretizam-se diversas melhorias quanto à produção de adubos em dois centros fabris (Barreiro, Estarreja).
- Constitui-se em Madrid a sociedade INTERGAL ESPAÑOLA S.A. , para actuação no mercado espanhol.
- Estabelecem-se (ou confirmam-se) formas de cooperação com empresas em Angola e Moçambique, e não apenas Participadas; prevista a criação de uma delegação da Quimigal no Maputo (Moçambique).

1980
- São concluídos, no Barreiro, os seguintes projectos:
-peletização de cinzas de pirite (processo "Kowa-Seiko”);
-unidade produtora de zinco metálico;
-forno da cal (este ultimo em articulação com o anterior).
- Prosseguem as acções relativas ao Projecto Azotados, no Lavradio e em Alverca.
- Iniciam-se e desenvolvem-se os trabalhos relativos ao "terminal de líquidos", no Lavradio / Barreiro.
- Desenvolvem-se análises prévias relativas à realização possível de um empreendimento adubeiro em Sines (utilizando pirite e em articulação com a INTERCUF); este empreendimento não será concretizado.
- Realizam-se investimentos de substituição e modernização na fábrica de óleos do Barreiro, o recondicionamento da instalação de rações da Fábrica União (Alcântara, Lisboa) e a transferência para a Fábrica União da instalação produtora de margarinas da Alhandra.
- Inicia a sua actividade a NUTRIGAL, sociedade inserida na área de negócios dos produtos para a pecuária.
- Concretiza-se o aumento de capacidade de produção da FISIPE, no Lavradio, de 12Kt para 23Kt/ano de fibra acrílica.
- Entra em normal funcionamento, no Barreiro, o projecto "fibras de vidro".
- É concluída, no Barreiro, a unidade produtora de poliois e resinas de poliéster (a produção normal será atingida em 1981).
- É constituída, nos EUA, a ERTCUF, por fusão da INTERCUF USA com a UERT -USA (participada da Explosivos Rio-Tinto, S.A. , de Madrid).
- Muito embora o Governo da República Popular de Angola se tenha apossado do "Edifício CUF", na “marginal” de Luanda, as sociedades participadas naquele País prosseguem a ritmo normal as suas actividades.

1981
- É constituída, em "joint-venture", a QUIMIBRO, sociedade dirigida à prossecução de actividades comerciais na área dos metais e outras "commodities".
- Define-se a racionalização da produção de pesticidas, com transferência para Alverca de todas as formulações.
- Com a PARTEX, CNP e PGP é constituído o KIMIC, agrupamento complementar de empresas para venda de tecnologia ao exterior.
- Procede-se, no Barreiro, ao arranque e aos ensaios de recepção da Central a Vapor nº 3.
- Concluem-se estudos de economia energética no complexo de Estarreja.

1982
- O Decreto-Lei 158/82, de 6 de Maio, concretiza a integração na QUIMIGAL da universalidade de direitos e deveres e bens da EMMA -Empresa Mineira e Metalúrgica do Alentejo, E.P. relativos às actividades desta no campo da transformação de pirites complexas e outros minérios sulfurados; o Despacho 88/82 do Ministro da Indústria e Energia determina as linhas de actuação da EDMA -Empresa de Desenvolvimento Mineiro do Alentejo, E.P. (nova denominação atribuída à EMMA) e da QUIMIGAL, confiando a esta o "Projecto Cobre" (estudo e promoção de uma metalurgia de cobre); o objecto social da Quimigal é modificado, mercê destas atribuições.
- Antecedendo a aprovação do diploma atrás referido, chegou-se a desenvolver, na QUIMIGAL, o projecto de uma “Divisão Minas”, que integraria os direitos mineiros nacionalizados no Alentejo (pirites e outros sulfuretos metálicos). O diploma legal não viria confirmar essa extensão.[Nota do Editor]
- Grande reparação da fábrica de ácido sulfúrico "Contacto 5", no Barreiro, incorporando importantes modificações de ordem técnica. Iniciam a produção as seguintes unidades fabris do Projecto Azotados:
- ácido nítrico (Alverca);
- ácido nítrico (Lavradio).
- Inicia operações a unidade de resinas e formulações no Barreiro, permitindo a produção de sistemas de poliuretanos e prepolímeros.
- É constituída a NUTRIZOO, para comercialização de alimentos compostos para animais, fabricados pela QUIMIGAL.
- São celebrados contratos de assistência técnica com empresas de Angola e Moçambique.

1983
- Prosseguem, agora integrados na QUIMIGAL, os trabalhos relativos ao Projecto Cobre; é elaborado e apresentado ao Governo um "relatório preliminar de viabilidade" relativo à unidade metalúrgica.
- Prosseguem as acções de desenvolvimento relacionadas com a unidade de purificação e peletização de cinzas de pirite (processo Kowa Seiko) e colocação dos seus produtos (peletes hematíticos) na SIDERURGIA NACIONAL, em condições economicamente compatíveis com a operação da instalação.
- Cessam as actividades industriais na instalação de produção de sulfureto de carbono, de Vila Nova de Gaia.
- Após "revamping", arranca a unidade de nitrato de amónio, no Lavradio.
- É apresentado ao Governo o "Projecto Cereais de Inverno" com o objectivo de aumentar a produção nacional de trigo, aveia e cevada.
- Efectiva-se a concentração da "actividade pesticidas" em Alverca.

1984
- Na sequência de diversas exposições que vem sendo feitas pela Empresa, o Governo reconhece a capacidade e a necessidade de recuperação financeira da Quimigal, sendo aprovado o "Plano de Revitalização da Quimigal", ainda que sem sistemática aplicação subsequente das suas conclusões.
- O "Plano de Revitalização da Quimigal" é transcrito no documento "O Sector Empresarial do Estado na Indústria e Energia: Análise e Propostas de Actuação", editado pelo Ministério da Indústria e Energia, em Dezembro.
- Prosseguem os ensaios e negociações relativos à unidade de purificação e peletização de cinzas de pirite (processo Kowa -Seiko), que permanece parada.
- Prosseguem os estudos de uma metalurgia de cobre (Projecto Cobre).
- Entra em funcionamento a nova unidade produtora de amoníaco no Lavradio, com a capacidade de 900 toneladas/dia.
- É elaborado e apresentado o "Projecto Milho", destinado a incrementar a produção desse cereal.
- São introduzidas alterações na instalação de ácido fosfórico, no Barreiro; igualmente são introduzidas alterações nas unidades de granulação de adubos de Alverca.
- Decorrem estudos para a reconversão da fábrica de zinebe, no Barreiro.
- Prosseguem acções de formação e assistência técnica, interessando Angola e Moçambique.

1985
- Agrupam-se os diversos estudos e planos de recuperação da Empresa. que vem sendo desenvolvidos nos anos precedentes, num único plano actualizado de recuperação e num projecto de contrato-programa.
- Preparam-se as acções de reestruturação a desenvolver em 1986. tendo nomeadamente em atenção a adesão de Portugal às Comunidades Europeias.
- O investimento é mantido “no mínimo compatível com as operações da Empresa”
- É suspensa a produção de peletes hematíticos na instalação de processo Kowa-Seiko (situação já vigente em anos anteriores. com exclusão de curtos períodos de operação. para ensaio); o funcionamento da instalação é inviabilizado pelo não prosseguimento do projecto do novo alto-forno. por parte da SIDERURGIA NACIONAL.
- Uma falha de equipamento determinou um violento rebentamento na nova instalação de amoníaco do Lavradio (a 15 de Agosto de 1985), felizmente sem danos pessoais, mas provocando a imobilização da unidade por 10 meses. para reparação.
- É reduzida a participação relativa na ISOPOR. assumindo a DOW CHEMICAL a participação directa estrangeira de que era titular a UPJOHN [como consequência da aquisição global do negócio de poliuretanos desta].
- É interrompida a produção de fibra de vidro e de acessórios de PVC. no âmbito da Divisão de Plásticos e Especialidades Químicas (DPEQ). no Barreiro.

1986
- A Resolução de Conselho de Ministros nº 59/851 de 26 de Dezembro. estabelece a reestruturação do sector adubeiro nacional (ainda que. no termo do exercício, permanecessem por definir os respectivos montantes); certo é. porém. que no início do exercício terminou o regime de subsidização aos adubos (mercado interno), que vigorava desde Agosto de 1975.
- Com a concretização da adesão de Portugal às Comunidades Europeias verificam-se modificações em termos de ofertas / mercados, com características diferenciadas de negócio para negócio.
- Inicia-se o processo de reestruturação da actual dívida externa da Empresa.
- No decorrer de 1986 não teve lugar qualquer dotação a título de capital à Empresa, o que sucedeu pela primeira vez e teve consequências na estrutura do Balanço.
- Prossegue activamente um processo de reestruturação interna, com autonomização das Unidades Fabris, integrando os meios produtivos e os serviços de apoio á produção; é conduzida a análise do Grupo Geral e sua adaptação a um esquema de gestão tipo "holding", com a participação do BOSTON CONSULTING GROUP; são eliminados órgãos de menor utilização na macro estrutura global.
- Prossegue o lançamento do Projecto Cobre, com passagem à fase de prequalificação do empreiteiro geral e conclusão do contrato de engenharia básica preliminar
- Dentro dos princípios de reestruturação do sector, a Divisão de Produtos Químicos para a Agricultura é dividida nos dois negócios independentes, de Adubos e de Agroquímicos; a Divisão de Química Orgânica é extinta, com integração das respectivas actividades em orgãos já existentes.
- A Fábrica de Amoníaco (que é mantida contabilisticamente individualizada do Negócio de Adubos) retoma a laboração em Junho, após reparação.
- Entram em laboração, no Barreiro, uma nova linha de confecção de sacos "Lenzing" e novos teares circulares.
- Conclui-se o plano de reestruturação dos serviços de infra-estruturas do Barreiro, iniciando-se a respectiva implementação.
- Prossegue a prestação de serviços a empresas africanas do sector de óleos e sabões, destacando-se os contratos de gestão com a INDUVE (Angola) e de assistência com a U.D.P.O. (Moçambique).
- As operações no Brasil, através da INTERCUF, ressentem-se das alterações verificadas nos cargos de chefia e da conjuntura local.
- A QUIMIGAL acorda com a UERT a cedência da sua posição na ERT-CUF, nos Estados Unidos, dada a fraca utilização pela QUIMIGAL dos serviços daquela Empresa.

1987
- O ano de 1987 ‘e dominado pelo prosseguimento das tarefas de reestruturação, com reflexos quer internos quer externos.
- Foram apresentados ao Governo em Março os planos de reestruturação, e bem assim as informações adicionais sobre estes solicitadas, prosseguindo-se discussões quanto ao respectivo conteúdo e implementação. A crise política superveniente (Abril), com interposição de eleições e formação de novo Governo, foi logo seguida por uma retoma de exposição quanto à posição e propostas da Empresa. Muito embora uma deliberação do Conselho de Ministros, de 8 de Janeiro de 1987, tivesse dado um acordo de princípio às acções de reestruturação em curso e a situação da Quimigal tivesse sido considerada no Orçamento do Estado para este ano, no fim de 1987, porém, ainda não era conhecida qualquer decisão quanto ás propostas entretanto formuladas.
- Acresce que, pelo segundo ano consecutivo, a QUIMIGAL não recebeu qualquer dotação a título de capital, agravando-se pois a situação global da Empresa.
- É lançada a reformulação do Planeamento Estratégico da QUIMIGAL, considerando um Grupo de Empresas afiliadas a constituir ou já existentes; neste sentido, estuda-se a criação de novas empresas partindo dos negócios rentáveis da QUIMIGAL.
- Verificaram-se aumentos de capital, por incorporação de reservas, nas participadas FISIPE, LUSOFANE e COMPANHIA PORTUGUESA DO COBRE; foi aberta parte da participação FISIPE à subscrição por empregados da QUIMIGAL, com manifesto sucesso.
- Técnicos da QUIMIGAL participaram activamente nos grupos de trabalho para a reestruturação do sector adubeiro (estudo encerrado em Fevereiro de 1988) e da indústria do amoníaco (idem, em Dezembro de 1987).
- Os acordos estabelecidos com a DOW CHEMICAL EUROPE em relação à alienação da participação na ISOPOR, e à reformulação das condições de venda de anilina não puderam ser formalizados no ano corrente, por dificuldades meramente burocráticas.
- A NUTRIGAL cessou as suas actividades a meio do período e a NUTRIZOO viu as suas actividades substancialmente reduzidas;
- Igualmente foram encerradas as actividades da VECOM PORTUGUESA.
- A crise que afectou as Bolsas de Lisboa e do Porto impediu a concretização de uma alienação parcial da participação na FISIPE (cujo capital social foi aumentado; vide supra).
- A QUIMIGAL procedeu à alienação das sua participação na SITENOR.
- Foram introduzidos no mercado os grandes sacos Quimibague e a linha Quimiplas de produtos para a agricultura e redes para a construção civil.
- Procedeu-se a uma reorganização da Divisão de Infraestruturas do Barreiro na perspectiva da próxima reestruturação e adaptação à criação das unidades fabris, com actuação autónoma.
- Procedeu-se a uma reconversão das actividades da COMFATEX, em Angola.
- Foi estabelecido um acordo com a Banca em apoio da INTERCUF.
- Como já previsto, a QUIMIGAL procedeu à alienação da sua participação na ERT-CUF.
- Foram alienados diversos imóveis não directamente ligados à produção.

1988
- Prossegue o diálogo directo com o Governo, para análise sistemática dos problemas e medidas concretas de reestruturação da QUIMIGAL; a Lei nº 100/88, de 25 de Agosto, autoriza o Governo a contrair empréstimos para a assunção de passivos de diversas empresas públicas, incluindo a QUIMIGAL.
- Concluem-se as actividades do ultimo Grupo de Trabalho, a nível ministerial, para a reestruturação do sector adubeiro; os montantes de apoio às empresas do sector, publicados apenas em Agosto, só são tornados acessíveis já no ano seguinte, com as previsíveis consequências; o contrato-programa entre o Ministério da Indústria e Energia e a QUIMIGAL para este processo de reestruturação, é assinado em Setembro.
- É aumentado o capital social nas Participadas COMPANHIA PORTUGUESA DO COBRE, JOTUM-TINCO, PREVINIL, QUIMIBRO, SERVISAN, SOTINCO, SONADEL, SOVENA, UNICLAR e UNISOL.
- Procede-se à reestruturação da dívida externa da Quimigal, para a tornar menos sensível à forte valorização de algumas divisas (vg. Iéne).
- São disponibilizados ao Ministério da Indústria e Energia os elementos obtidos pela Direcção do Projecto Cobre; essa Direcção colabora com a empresa TELESIS, contratada pelo Ministério para análise desse empreendimento.
- Dentro do plano de reestruturação do sector adubeiro, avança-se, no decorrer do ano, com investimentos de carácter prioritário:
-nova central automática de ensacamento no Barreiro, com automação e paletização do produto;
-instalação de uma coluna de purificação de ácido residual em Estarreja;
-modificação de material ferroviário rolante;
-aquisição de terreno para novos entrepostos; e
-consulta para novo sistema de informação para gestão.
- É colocada em "stand-by" (e, seguidamente, desmobilizada) a mais antiga unidade produtora de ácido nítrico em Alverca; encerram-se as unidades de ácido sulfúrico nº 1, em Estarreja, granulação II e sulfato de amónio II, no Barreiro; prepara-se o encerramento dos contactos 6 e 7, no Barreiro.
- A DOW CHEMICAL assume o controlo total da ISOPOR, adquirindo à QUIMIGAL a sua quota.
- É renovado o contrato de licença de utilização da marca, para as rações Cuf-Sanders, com a SANDERS-ALIMENTS.
- A QUIMIGAL, a Companhia de Seguros IMPÉRIO e o Grupo VISTA ALEGRE procedem a uma troca de acções, ficando a Quimigal com participação na ECOPLÁS e abrindo a esse Grupo uma participação na LUSOFANE.
- Estuda-se a criação de empresas e de aproveitamento das potencialidades do Parque Industrial do Barreiro.
- Concluem-se os estudos referentes à criação de uma empresa operadora portuária, com a constituição, em Dezembro, da ATLANPORT - Empresa de Exploração Portuária, S.A. ; é também preparada a constituição da SERCARGA.
- É alienada a participação na SIGA (Angola).

1989
"O ano de 1989 representou (. ..) uma viragem essencial para a sobrevivência da Empresa e determinante para o seu futuro, devido a dois factos de enorme relevância: -um, a transformação da Quimigal Química de Portugal, E.P. em sociedade anónima de capitais maioritariamente públicos, operada pelo Decreto- Lei nº 25/89, de 20 de Janeiro;
-o outro, o seu parcial saneamento financeiro efectuado pela assumpção, por parte do Estado, de 48 milhões de contos do seu passivo."
- O desenvolvimento deste exercício consta já da Cronologia seguinte.
- - - « « « «» » » » - - -